Muçulmanos estão agredindo cristãos nas ruas da Austrália
IGREJA 19/04/2017 - 11:27
 
 

Quarto ataque seguido deixa comunidade cristã incomodada

Relatos de ataques a cristão por parte de gangues muçulmanas têm se multiplicado nos últimos meses na Austrália.  O pastor batista George Capsis está denunciando que já são  quatro casos somente em Sydney nos últimos meses.

Estranhamente, o governo local não tomou providências. O pastor Capsis, um líder dentro da comunidade grega local, sugere que os moradores não  usem símbolos cristãos nas áreas predominantemente muçulmanas em Sydney, pois correm o risco de serem atacados.

O caso mais recente, ocorrido na semana passada, foi de Mike, um ortodoxo de 30 anos. Ele teve o crucifixo arrancado de seu pescoço e pisoteado por quatro homens. A vítima conta que eles  bateram nele e o chutaram quando estava caído. Múltiplas lesões foram comprovadas pelo exame médico que ele apresentou. Nada foi roubado, evidenciando que se trata de perseguição religiosa.

Sua namorada, que estava junto, diz que tentou intervir quando duas mulheres que acompanhavam os agressores partiram para cima dela.

O jornal Daily Telegraph relata que, segundo testemunhas, os homens que bateram no casal falavam árabe, mas se referiram a “Allah” e ofenderam o nome de Jesus em inglês.

“Eu nasci na Austrália, mas sou de família grega”, disse Mike ao Telegraph. “Eu sempre usei meu crucifixo. Para eles arrancarem e pisarem nele está claro que  foi um crime religioso. Não quero me sentir inseguro em meu próprio país”, reclama.

O governo australiano está sendo duramente criticado por sua complacência com os muçulmanos. A exemplo do que ocorre em alguns países da Europa, existem áreas nas grandes cidades australianas onde os muçulmanos aplicam suas próprias leis, verdadeiros enclaves governados pela sharia. Essa situação bizarra repercutiu amplamente na Austrália, onde há uma verdadeira guerra política e midiática por conta dos imigrantes muçulmanos que estão vindo para o país. O movimento conservador australiano é liderado pela senadora Pauline Henson, do One Nation [Uma Nação] considerado de extrema-direita.

 

Recentemente, líderes islâmicos vieram a público defender o direito dos homens ter mais de um casamento e que os apóstatas – que abandonam o Islã – deveriam ser mortos.

 

Atualmente na Austrália há uma verdadeira guerra política e midiática por conta dos imigrantes muçulmanos que estão vindo para o país. O movimento conservador australiano é liderado pela senadora Pauline Henson, do One Nation [Uma Nação] considerado de extrema-direita.

 

O governo liberal australiano diz que continuará recebendo refugiados e tem censurado quem faz campanhas advertindo sobre os perigos da islamização do país.


 
 
Não esqueça de comentar
 
Pesquise em nosso Acervo
 
Leia também
  Policiais evangelizam na Cracolândia
Uma abordagem de policiais militares a usuários de drogas no interior de São Paulo viralizou na inte
 
  Justiça reconhece José Wellington Jr. como presidente da CGADB
O site do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro publicou a decisão do Juiz Thomas de Souza Melo reco
 
  Doria pede “oração pelo Brasil” em culto da Assembleia de Deus
O prefeito de São Paulo, João Doria, repete os passos de Dilma e procura demonstrar afinidade com os
 
Publicidade
 
Em cima da Hora
  Pela primeira vez, TSE manda retirar fake news da internet
O ministro substituto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Sérgio Banhos determinou hoje (7) que o F
 
  Temer se reúne com presidentes da Assembleia de Deus no Brasil
O presidente Michel Temer, participa da Assembleia Geral Extraordinária da Convenção Nacional das As
 
  Veja fatos que marcaram os dois anos do governo Temer
O presidente Michel Temer reúne nesta terça-feira (15), no Palácio do Planalto, a equipe ministerial
 

 

© 2018 JE - Jornal Evangélico - O Jornal Evangélico é uma publicação Interdenominacional.
Todos os direitos reservados.